sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Entrevista: Valdir Julião

O OPERÁRIO DA NOTÍCIA

José Valdir Julião comemora, em fevereiro de 2014, 35 anos de jornalismo. Apesar de há quase três décadas e meia estar correndo atrás da notícia para bem informar aos seus leitores, esse cerro-coraense ainda não demonstra sinais de cansaço. Ao contrário: ele continua tão entusiasmado com o que faz que sequer cogita trocar a caderneta de anotações e o gravador – ferramentas que utiliza para arrancar as declarações que se transformarão em manchete do dia seguinte – por softwares manuseados pelos editores como Quark Express e Pagemaker. A conversa com Julião ocorreu via Skype, no comecinho da noite de uma sexta-feira. Convido o leitor a acompanhar a história que Julião me contou. Os créditos das fotos são de João Maria Alves, o primeiro fotojornalista sindicalizado do Rio Grande do Norte. (robertohomem@gmail.com)

JULIÃO – Antes de qualquer coisa, quero registrar que essas entrevistas que o Zona Sul tem publicado são maravilhosas. Por aqui já passou gente de todo o tipo: tanto pessoas humildes, como outros que têm uma posição vitoriosa na vida e na carreira. Adorei, por exemplo, a entrevista que você fez com o jornalista João Bosco. Ri demais com as histórias que ele contou.
ZONA SUL – Naquela ocasião, durante mais de quatro horas Bosco foi sabatinado por mim e pelo repórter fotográfico Roque de Sá, aqui de Brasília; e por meu irmão Ronaldo Siqueira e o jornalista Roberto Fontes - via Skype - aí de Natal.
JULIÃO – Com Bosco você recolheu histórias para publicar um livro. Comigo vai ser diferente, sou um cara do interior, um matuto...
ZONA SUL – Bosco também conta muitas de suas histórias em seu blog, que pode ser acessado no endereço http://www.assessorn.com/. Vale a pena conferir.
JULIÃO – Vou dar uma olhada, até porque gosto muito dele. Mas acho que já podemos começar a nossa conversa.
ZONA SUL – Onde você nasceu?
JULIÃO – Em Cerro Corá, no dia 13 de abril de 1958. A cidade tinha acabado de se emancipar politicamente de Currais Novos. Nasci na Maternidade Clotilde Santina. O nome foi escolhido em homenagem à filha de Sérvulo Pereira de Araújo, magnata da scheelita no Rio Grande do Norte entre os anos 1940 e 1960. Ele foi dono da Mineração Bodó, que, embora explorasse minério no município de Santana do Matos, tinha escritório em Cerro Corá, devido à maior proximidade com Natal e ao fato de Sérvulo ser filho de um dos fundadores da cidade, Tomas Pereira de Araújo (primo do ex-governador Cortez Pereira). Essa maternidade foi uma das primeiras do Rio Grande do Norte a ser administrada pela extinta Fundação Serviço Especial de Saúde Pública (SESP). Os apartamentos onde as mães tinham os seus bebês levavam nomes de minérios. Eu nasci na sala “Berilo”.
ZONA SUL – Seus pais faziam o que da vida?
JULIÃO – Meu pai, José Julião Neto, foi eleito 12 vezes vereador de Cerro Corá. Também foi vice-prefeito e chegou a assumir a prefeitura durante um ano, em 1971. Ele era filho do que naquele tempo se chamava tropeiro. Era o cara que saía em lombo de burro negociando em uma cidade e outra. Meu avô era lá do Pataxó, do Vale do Açu. Depois ele mudou para São Romão, que hoje é Fernando Pedroza. Ele andava no sertão vendendo as mercadorias que transportava em tropa de burro. Como meu pai não queria essa vida, meu avô pediu a um amigo, lá em Santana do Matos, que o empregasse e ensinasse a ele o ofício do comércio, das vendas no balcão de mercearia. Depois meu pai mudou para Cerro Corá, onde fez muitos amigos. Pelas mãos de Chico Canário, que não queria mais mexer com política, meu pai foi eleito vereador. Só saiu da política em 1976, depois que perdeu uma campanha para a prefeitura.
ZONA SUL – A vida de um vereador nas pequenas cidades do interior do estado não era como hoje...
JULIÃO – Naquele tempo o vereador não ganhava dinheiro, nem tinha salário. Só se dedicava à política aquelas pessoas que gostavam de prestar favor. Meu pai era um desses. Por exemplo: naquela época ele era o doador de sangue da cidade. Hoje em dia, ainda é difícil conseguir quem faça isso. Ele salvou muitas vidas doando sangue na maternidade onde eu nasci. Meu pai foi dono de padarias e abriu falência várias vezes por causa da política. Ele também gostava muito de jogar futebol, mas costumava dizer que só conseguia um lugar no time porque era o dono da bola. Não jogava porra nenhuma!
ZONA SUL – Por qual time ele torcia?
JULIÃO – Pelo Botafogo e pelo América de Natal. Começou a torcer pelo Botafogo em 1948, com 18 anos, quando o time – depois de mais de duas décadas sem ser campeão – venceu o Vasco por 3 a 1, lá no antigo estádio de General Severiano. Naquele tempo se ouvia muito, em rádios a válvula, as emissoras do Rio de Janeiro, como Nacional, Globo e Tupi. Ele começou a torcer pelo Botafogo por ter achado engraçada a história de Biriba, um cachorro preto e branco que se tornou amuleto da sorte do time. Toda vez que o diretor Carlito Rocha levava Biriba para o gramado, o Botafogo ganhava. O time tem muito dessas superstições. Naquele ano de 1948, o Botafogo derrotou o Vasco e foi campeão com Biriba entrando em campo. Por causa dessa história engraçada, meu pai simpatizou com o Botafogo. Por consequência, eu e o meu irmão gêmeo - José Vanilson Julião, que também é jornalista - viramos botafoguenses. Tornei-me americano ouvindo, pela Rádio Nordeste, a final na qual o América venceu o ABC por um a zero, com um gol de Alemão. (Com a vitória o América forçou uma quarta partida e derrotou o rival por 2x0, com gols de Bagadão e Alemão, levantando o título de campeão estadual de 1969). O ABC era favorito e o América era mais humilde, mais fraquinho.
ZONA SUL – Fale um pouco sobre a sua mãe.
JULIÃO – É dona de casa, mas quando meu pai teve bar e padaria, ela era uma espécie de anjo da guarda. Meus pais são a confirmação daquele ditado que diz “por trás de um grande homem sempre tem uma grande mulher”. Minha mãe é quem sustentava o tranco no balcão, ou administrando a padaria e o bar. Quando sobrava um dinheirinho, meu pai tirava da gaveta para gastar com time de futebol ou com as pessoas necessitadas de Cerro Corá. Anos depois de ter perdido a campanha política para prefeito, ele arranjou um emprego público na Companhia de Desenvolvimento de Recursos Minerais do Rio Grande do Norte (CDM), atualmente extinta. Quem conseguiu para ele foi o deputado Cipriano Correia. Naquele tempo as pessoas conseguiam se empregar sem concurso. O nome da minha mãe é Damiana Ribeiro Julião, mas ela é mais conhecida pelo apelido de Tinoca. Ela ainda está viva, mas meu pai morreu em 1989, de enfarte, depois de fazer uma cirurgia para troca de válvulas. Meu irmão Vanilson Julião já trabalhou na Tribuna do Norte, Diário de Natal, Jornal de Natal e hoje atua como freelance. Tenho também uma irmã, Maria José Julião, que é dona de casa. A gente a chama de Mariazinha. Minha mãe tinha um irmão gêmeo, que já faleceu, minha irmã é gêmea com nosso irmão que morreu recém-nascido. Uma irmã da minha mãe também teve filhos gêmeos.
ZONA SUL – Até quando você morou em Cerro Corá?
JULIÃO – Até fevereiro de 1975. Para estudar o segundo grau, a gente teve que mudar para Natal. Mesmo financeiramente falido, meu pai fez um esforço enorme e trouxe toda a família para cá. A gente morou em uma vilazinha que ficava onde hoje é a esquina da Romualdo Galvão com a Bernardo Vieira. A gente foi morar lá porque era fácil ir e voltar a pé para a Escola Técnica Federal.
ZONA SUL – O que de mais expressivo você recorda dos tempos de Cerro Corá?
JULIÃO – Tive uma infância normal, dentro das condições da época, sem muitos atropelos. A gente brincava de cavalo de pau, bola de gude, carrinho de rolimã e jogava bola de meia. Cerro Corá era pacata e maravilhosa. A gente não tinha jornais, nem TV. A televisão só chegou na década de 1970. Um compadre do meu pai, que morava em frente, foi o primeiro da rua a ter uma TV em casa. A casa dele virava um verdadeiro cinema pois todos iam assistir a única emissora que pegava, a Tupi. Os sucessos eram “Meu pé de laranja lima”, “A fábrica”... Hoje a gente ainda tem o prazer de rever alguns seriados daquele tempo, como “Jeannie é um gênio”, “A feiticeira” e “Perdidos no espaço”, que faziam o maior sucesso entre a garotada da época. Quando meu pai foi prefeito comprou uma televisão e instalou na praça, em frente à prefeitura. Começou assim a era da mídia eletrônica em Cerro Corá.
ZONA SUL – Você já se interessava pelas notícias?
JULIÃO – Naquela época não havia as facilidades de hoje. Eu costumava ler jornais de outro comerciante da cidade, João Bezerra Galvão. Quando ele vinha a Natal, comprava jornal velho para enrolar sabão. Eu conhecia principalmente “O Poti” e o “Diário de Natal”, que eram as coqueluches da época. João Bezerra deixava esses jornais em cima do balcão. Eu, menino, encostava no balcão e lia esses jornais de enrolar sabão. Por sinal, foi “n’O Poti” que eu vi a famosa entrevista que Alberi deu, dizendo que tinha recebido de luvas uma radiola para renovar seu contrato com o ABC.
ZONA SUL – Como foi trocar Cerro Corá por Natal?
JULIÃO – Uma tia nossa já morava nas Quintas desde os anos 1940. Então, desde os seis ou sete anos a gente vinha para cá passar férias. Naquele tempo não tinha ônibus regular. Hoje também não tem mais, depois dessas crises. Certa vez a gente veio em cima do caminhão de Maria de Chico de Brito, que era comadre da minha mãe. Quando chegou na altura de Macaíba, ele deu o prego. Fui dormir em uma rede, embaixo do caminhão. Só que o caminhão também estava levando para a feira goma, milho, galinha... Acordei às cinco da manhã, o sol já levantando, todo cagado por duas galinhas que estavam bem em cima da gente. Alcancei o tempo em que o cobrador andava com o dinheiro enrolado no dedo para passar o troco aos passageiros.
ZONA SUL – Como foi sua vida estudantil?
JULIÃO – Em 1970, como não tinha o ensino do ginásio em Cerro Corá, meu pai - que na época era vice-prefeito - fez um movimento com alguns amigos e juntos fundaram o Ginásio Comercial Pedro II, que era vinculado à Campanha Nacional das Escolas da Comunidade (CNEC). Depois, quando o governo do estado construiu uma escola, esse Ginásio foi extinto. Fiz as três primeiras séries do ginásio em Cerro Corá. A quarta série fiz em Açu, no Ginásio Estadual JK. Fui com meu irmão morar na casa de uma tia. Ao concluir, prestamos um minivestibular para a ETFRN, em 1975. Muitos amigos de Cerro Corá também se submeteram a essa prova. Todos nós passamos, para você ver o nível do ensino público daquela época, mesmo em uma cidade pequena do interior.
ZONA SUL – Você concluiu o curso na então Escola Técnica?
JULIÃO – Terminei o curso de Geologia em 1977 e fiz o estágio na Nuclan, que era subsidiária da Nuclebras. Depois fui contratado pela empresa. Trabalhei cinco meses pesquisando urânio em Patos, Campina Grande, Borborema, Dona Inês, São José de Espinharas e Pirpirituba. A gente trabalhava 20 dias e tinha uma semana de folga. Em um desses períodos de descanso, resolvi fazer vestibular em Natal. Como não era bom em Física, Química e Matemática, nem tentei Geologia. Eu poderia ter feito História, mas optei por Jornalismo. Depois que saí da Nuclan, abracei o jornalismo. No próximo ano comemoro 35 anos dentro de redação. Entrei nessa brincadeira e não consegui sair mais. Vou ser dos poucos jornalistas que aposentaram como repórter, na essência da redação. A maioria não aguenta o tranco, o repuxo. Vira publicitário, assessor de imprensa ou dono de jornal, ou desiste da carreira.
ZONA SUL – Onde foi o seu primeiro emprego como jornalista?
JULIÃO - Quando fui estudar jornalismo na UFRN, fui procurar emprego, já que era um cara pobre, liso, solteiro e estava doido para ganhar dinheiro pelo menos para pagar as farras. Um dos meus companheiros de faculdade era o radialista Exmar Tavares. Uma semana depois de eu ter falado para a turma toda que estava querendo trabalhar, ele me procurou. Disse que Givaldo Batista, o Gigi da Mangueira, estava precisando de um repórter. Dessa forma entrei no jornal A República. Minha primeira tarefa foi entrevistar um diretor do América. Hoje em dia o estagiário chega e já ganha uma bolsa do IEL, entregam a ele um telefone, a pauta e orientam a pegar um carro da empresa para ele cumprir seu trabalho. Comigo foi o contrário. Não recebi orientação nenhuma. Chovia torrencialmente na cidade. Peguei um ônibus, fui ao trabalho do meu pai pegar o carro dele emprestado para fazer a entrevista. Muitos anos depois eu soube que esse diretor disse a Givaldo Batista que eu não tinha condições de ser repórter. Como alguém pode analisar um iniciante que nunca tinha sequer entrado em uma redação, na sua primeira pauta? Como prever se esse cara dá ou não para o troço? Pelo menos para ser um jornalista de província, acho que dei o meu recado.
ZONA SUL – Quem era esse diretor?
JULIÃO – Nem vou dizer, para não criar constrangimento. (risos). Mas ele é gente boa, polêmico. Talvez nem lembre mais disso. Mas eu fui trabalhar na editoria de esportes com Givaldo Batista. Como ele também era dublê de editor de polícia, pedia para eu fazer as matérias que Ubiratan Camilo trazia das delegacias. Ubiratan não escrevia, só fazia as anotações.
ZONA SUL – Era igual a Pepe dos Santos.
JULIÃO – Sim. Hoje Pepe vive uma situação difícil, está com mal de Alzheimer, internado há alguns meses e precisando de ajuda financeira. A entrada de Ubiratan Camilo n’A República foi interessante. Ele veio de Recife cumprir em Natal um resto de pena por homicídio cometido lá. Ubiratan me contou que um vizinho xingou a sua esposa e ele, quando chegou do trabalho, foi tomar satisfação. Terminou atirando no rapaz. Em Natal, quando saiu da prisão, desempregado, foi pedir emprego a Lavoisier Maia. O então governador o mandou ir falar com o diretor do jornal A República. Trabalhou uns dois anos com a gente e foi para a Rádio Cabugi. Lá n’A República trabalhei com grandes profissionais como Carlos Morais (editor e jornalista), Franklin Machado (hoje da TV Tropical e Rádio CBN) e Fernando Farias, que foi atleta de basquete e atualmente mora em João Pessoa. Fiquei no jornal até o seu fechamento, no governo Geraldo Melo.
ZONA SUL – Que matéria ou acontecimento poderia simbolizar sua passagem pelo jornal A República?
JULIÃO – Nossa editoria de esportes não tinha sequer carro para acompanhar o treino dos clubes. A gente ia a pé ou de ônibus. Muitas das matérias que redigi foram baseadas em entrevistas transmitidas pelas emissoras de rádio. Para complicar mais ainda, a ordem era fechar a página de esportes às quatro da tarde, horário em que ainda estão rolando os treinos as notícias começando a surgir. Mesmo assim, em 1982 conseguimos ser eleitos pela crítica como a melhor página de esportes de Natal. Paulo Tarcísio era o diretor geral da Companhia Editora do Rio Grande do Norte (CERN), responsável pelo Diário Oficial e pelo jornal. Eu, Carlos Morais e Fernando Baleia fizemos um suplemento sobre a Copa de 1982. Com menos condições logísticas e operacionais, conseguimos bater o Diário de Natal, campeão de vendas no estado, e a Tribuna do Norte, o segundo lugar. Lembrei agora de um personagem interessante, gazeteiro chamado Alberi, que vendia jornais nas redondezas da Rodoviária Velha. Quando acabavam os exemplares do Diário de Natal, ele enrolava ou a Tribuna ou A República em uma capa do Diário e vendia para os matutos no bom sentido. Ele gritava assim: “olha o Diáris!”. Fazia isso para ganhar o dinheirinho dele.
ZONA SUL – Com o fechamento d’A República você foi fazer o que?
JULIÃO – Passei um tempo como plantonista esportivo na Rádio Tropical, levado pelo jornalista e amigo Wilson Gomes. Depois de oito meses, saí por razões que não vale a pena comentar agora. Foi bom porque adquiri uma experiência no rádio que eu não tinha. Quando saí da rádio, Roberto Guedes me chamou para ser subeditor do jornal Dois Pontos. Ele era o diretor de redação. Quando Roberto saiu, continuei lá. Um dia, perto do feriado de 7 de setembro de 1989, fui visitar meu irmão na Tribuna do Norte. A gente tinha combinado de sair para tomar uma, depois do expediente. É difícil ter um jornalista que não seja boêmio, você sabe bem disso. Roberto Guedes era o editor de política da Tribuna. Quando me viu, perguntou: “quer vir para cá?”. Eu perguntei se era para começar na segunda-feira. Ele disse que não: era para iniciar já no dia seguinte. Véspera de 7 de setembro, uma quarta-feira, comecei na Tribuna do Norte.
ZONA SUL – Lá você começou trabalhando em qual editoria?
JULIÃO – Política. Daquele tempo para cá, passou muita gente pela editoria, e eu fui ficando: Conceição Almeida, Márcio César, Herbert de Freitas, Aldemar Freire (que hoje é editor), Vicente Neto, Alexandre Cavalcanti, Edilson Braga, Paulo Tarcísio Cavalcanti... Aprendi com todos, mas foi maravilhoso trabalhar com Paulo Tarcísio, um gentleman. Ele só tem um defeito: é torcedor do Fluminense. Na editoria geral passaram vários, como Talvane Guedes, Roberto Guedes, Osair Vasconcelos, Edilson Braga, Paulo Tarcísio e, agora, Carlos Peixoto.
ZONA SUL – Como é trabalhar em um jornal que pertence a uma das mais tradicionais famílias políticas do Rio Grande do Norte?
JULIÃO – É mais fácil. A linha editorial da Tribuna é conhecida por todos. Complicado é estar em um veículo sem saber quem é o dono ou quem manda. Não tive muitos problemas, tanto é que estou lá há tanto tempo. Não tenho muito a reclamar. Teria com relação ao salário, mas a gente sabe que jornalista não ganha. Quem quiser enricar, vai ter que ser em outra profissão.  
ZONA SUL – A questão salarial dos jornalistas parece ser mais complicada aí do que na maioria dos estados.
JULIÃO – Quem está começando agora no jornalismo e é contratado para receber o piso, enfrenta séria dificuldade. Com a Internet, cada dia estão exigindo mais do jornalista, mas não está havendo uma contrapartida. Isso é contraditório.
ZONA SUL – A dificuldade salarial não é específica de um veículo. Alcança até os jornalistas que trabalham no Governo do Estado. Eu soube que o salário pago hoje não sofre alterações há mais de 15 anos!
JULIÃO – Eu ia dizer isso a você agora. É o mesmo salário de quando Garibaldi Filho deixou o governo. De 1995 pra cá é o mesmo salário.
ZONA SUL – Você foi eleito para compor a diretoria do Sindicato de Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Norte.
JULIÃO – Eu não estava pensando em ingressar em nenhuma chapa, entrei por acidente. Eu já tinha sido duas vezes do Conselho Fiscal. Dessa vez eu só topei entrar em uma chapa porque achava que ela seria única, não haveria disputa. Só soube que teria concorrência quando fui fazer a minha inscrição. Mas aí eu já tinha comprometido a minha palavra, não ia quebra-la. O jornalismo é uma categoria diferenciada, onde o corporativismo não é tão acentuado quanto em outras categorias. É muito difícil tocar uma política sindical sem haver união, sem que as pessoas se ajudem ou compareçam ao sindicato. A gente está iniciando essa gestão e vamos ver no que vai dar. O Breno Perruci é uma pessoa boa e bem intencionada.
ZONA SUL – E do seu trabalho na Tribuna, o que você destacaria?
JULIÃO – O que mais me gratifica no jornalismo não é premiação, nem salário enorme. É o feedback da rua. É quando vou cruzando uma esquina e alguém comenta que gostou de determinada matéria que eu escrevi. Ou então quando uma fonte confessa que prefere me dar entrevista porque sabe que suas ideias não serão deturpadas. Dia desses Demétrio Torres me disse: “Julião, você não repete ipsis litteris o que é dito, mas transmite com fidelidade o pensamento e a ideia do entrevistado”. Isso não é uma questão de ter o ego massageado, mas é um importante reconhecimento. Nas redações os elogios são escassos. Por isso, quando um companheiro de jornal faz uma boa matéria, gosto de ir ao pé do ouvido dele para cumprimenta-lo.
ZONA SUL – Você é um repórter da época da máquina de escrever. Trace um paralelo daquela época para a de hoje.
JULIÃO – Hoje está uma maravilha fazer jornalismo com as informações disponíveis na Internet. Mas tem que saber usar. Por exemplo: notícias de Brasília, que demoravam meses para chegar por aqui, agora estão disponíveis nos sites da Câmara ou do Senado Federal. É só recolher aquela informação e contextualizar entrevistando mais três ou quatro políticos e a matéria está pronta. Naquela época, além da escassez de informações, o repórter escrevia a matéria com três cópias, utilizando papel carbono. Para alterar o texto, depois de ele iniciado, geralmente tinha que rasgar o que já estava pronto para começar tudo de novo. Além disso, hoje o Doutor Google aqui e acolá auxilia a gente.
ZONA SUL – Se facilitou por um lado, por outro provocou a distorção de todo mundo hoje se achar jornalista. Foi melhor ou pior, para o jornalista, esse progresso?
JULIÃO – Foi melhor, até porque o jornalista, na essência, sempre será um jornalista. Os blogs proporcionaram oportunidade para pessoas que não tinham essa possibilidade, de se comunicar. O cara que não era dono de veículo não tinha acesso a nada. Hoje, ou escrevendo bem ou mal, ou divulgando a notícia correta ou não, ele pode ter o seu blog e virar também emissor de informação. Mas, no frigir dos ovos, quem entende e sabe o que é jornalismo, consegue diferenciar onde tem informação que vale a pena nessa enxurrada de notícias que povoa a internet.
ZONA SUL – Ao completar 35 anos de profissão você vai pedir aposentadoria?
JULIÃO – Estou com um grande dilema. Esse tal de fator previdenciário é terrível para o trabalhador. O salário já é uma merreca e fica menor ainda quando a pessoa se aposenta. Por isso estou analisando se me aposento ou não. Mas, mesmo que me aposente, não vou deixar de trabalhar porque acho que é muito chato o cabra ficar sem fazer nada em casa. Quero me manter em atividade pelo menos meio expediente. No restante do tempo posso investir em jornalismo online. Já estou treinando no blog que criei dedicado a Cerro Corá.
ZONA SUL – Fale um pouco sobre esse seu blog. Como surgiu a ideia?
JULIÃO – Em termos de design, meu blog não é esse balaio todo. Uso só a plataforma de blog e pronto. Ele é uma maneira de eu ir treinando, mas também de resgatar a história de Cerro Corá e do seu povo. Quem quiser, pode conhecer no endereço http://cerrocoranews.blogspot.com.br/. Ele não é campeão de audiência porque no meu blog não entra crime nem violência. É um espaço para resgatar a memória e falar da cidade e do povo cerro-coraense.
ZONA SUL – Você comercializa espaço para anunciantes em seu blog?
JULIÃO – O curso de Jornalismo deveria criar uma cadeira de gestor em comunicação, ou algo parecido. É difícil achar um jornalista que saiba correr atrás de anúncio. Eu não sei. Acho que vou ter que aprender, para que o blog tenha alguma rentabilidade.
ZONA SUL – Em qual perfil de jornalista você se enquadraria?
JULIÃO – Meu estilo não é lírico, nem poético. É mais feijão com arroz, ou pé de balcão. Gosto de dar a notícia, de oferecer um dado, uma informação. Mas vou começar a ler uns jornalistas bons que nós temos, como Rubens Lemos Filho. Ele tem um texto espetacular! Paulo Tarcísio e Vicente Serejo também. Vou me espelhar neles para ver se escrevo alguns “causos” que eu presenciei, erros que cometi e sacanagens que fizeram comigo. Como já tenho uma filha, só falta plantar a árvore e escrever esse livro.
ZONA SUL – Qual teria sido seu grande furo no jornalismo?
JULIÃO – Certa vez escrevi um textozinho, uma notinha, e no dia seguinte caíram dois secretários de Estado, no governo José Agripino. Mas foi sem querer. Em outra ocasião, quando caiu um helicóptero da Petrobras em Guamaré, eu e o repórter de polícia de A República conseguimos com exclusividade a relação das onze pessoas que tinham morrido naquele desastre. Mas era um sábado à tarde e o jornal já havia fechado. Ficamos com aquele furo na mão. Tem gente que acha que a notícia está como em uma prateleira de mercearia, e a gente vai lá e pega. É conversando que a gente consegue uma notícia. Às vezes a gente tem que ter paciência para construir uma informação. A notícia não tem hora marcada. Pode acontecer de ela passar na frente e a gente nem perceber. Para conseguir um furo, é preciso ter um bom ouvido e bons olhos. Um dia eu estava no Tribunal de Justiça, sem notícia nenhuma. Valdeci Santana era o assessor de imprensa de lá. Ele me levou para falar com o presidente, o saudoso Ítalo Pinheiro. Durante a conversa, entrou um assessor e, sem atentar que eu era jornalista, passou uma informação importante, que eu não lembro qual era. Na mesma hora percebi que tinha encontrado a manchete do dia seguinte. Quando o assessor saiu, Ítalo Pinheiro teve que me detalhar essa informação.
ZONA SUL – Fale sobre a sua família.
JULIÃO – Tenho uma filha apenas, porque jornalista não pode ter mais de um filho. Como vai educar? Comer o feijão, a rapadura, o macarrão, a melancia, o jerimum, uma pizza com camarão, isso é fácil. Complicado é custear a educação e a saúde. Por não confiar nos serviços públicos, a gente tem que tirar do nosso parco salário para pagar um plano de saúde e uma escola particular para os filhos. Minha filha, Ana Vanessa Julião, acabou de se formar em Farmácia. Minha esposa, Ana Selma Julião, tem um ateliê na garagem lá de casa. Ela é o suporte da família. Nasceu em Santana do Matos, mas gosta mais de Cerro Corá do que da terra dela.
ZONA SUL – Gostando tanto de Cerro Corá vocês não planejam morar por lá quando a aposentadoria chegar?
JULIÃO – Um primo já me deu um terreno, só falta arrumar o dinheiro para construir um chalezinho. Quero que o local tenha um espaço amplo para eu botar uns livros, instalar uma TV de 50 ou 60 polegadas. Quero assistir bangue-bangue em preto e branco, principalmente estrelado por John Ford e John Wayne, e alguns clássicos do cinema. Também vou ter lá um computadorzinho e uma rede para me balançar. De lá mesmo posso ter na Internet um jornalzinho online. Não é obrigado estar em Natal para acompanhar as coisas.
ZONA SUL – E esse livro que você pretende escrever? O que pode ser adiantado sobre ele?
JULIÃO – Quero escrever sobre o dia a dia que vivenciei. Já tem muita publicação a respeito de teses e sobre o lado acadêmico do jornalismo. Pretendo explorar o ambiente na redação, o relacionamento com as fontes, a dificuldade que é entrevistar alguém que “trava” quando se aproxima de um microfone. Tem outros que só falam em um papo informal. Se for um pingue-pongue, não sai nada. Certa vez fiz uma entrevista de página inteira que eu só transcrevi por obrigação, porque era pago para isso. O cara não tinha dito coisa com coisa. Quando o editor viu, refugou a matéria. Tem hora que o repórter pensa que pode ter sido ele quem não elaborou bem as perguntas. Mas se ele arrodeou de todo jeito, e o cara não respondeu... São esses episódios que quero botar no livro: as pressões que a gente sofre, as bobeiras que a gente também comete. Por falar em livro, queria aproveitar para sugerir aos filhos de Eugênio Neto que resgatem e publiquem as histórias inéditas que ele vinha escrevendo antes de morrer. Convivi com Eugênio Neto na cobertura da Assembleia Legislativa. Eu cobrava muito dele a publicação desse livro. Ele tinha muito o que contar. Costumava dizer que quando era adversário de Aluízio Alves publicou um livro de um jeito. Quando voltaram a ser amigos, tirou todos os ataques e publicou o livro dizendo o contrário. Nesse livro que pretendo publicar quero contar a história dos amigos também. Muita gente acha que o jornalismo é glamour. Mas a gente passa por muitos problemas. Meu livro não é para ser best seller. Acho que nem lançamento eu quero.
ZONA SUL – Mas tem que lançar. Em Natal se vende mais livro em lançamento do que nas livrarias.
JULIÃO – Até hoje só comprei um livro em lançamento. Até porque não sobra muito dinheiro para jornalista comprar livro. Fui ao lançamento do livro de fotografia de João Maria Alves, editado pelo Sebo Vermelho. Comprei o livro e ainda tomei uma cervejinha, à custa de Abimael.
ZONA SUL – Agora só falta você deixar um recado para o leitor do Zona Sul.

JULIÃO – Quero lhe parabenizar entrevistas que você está fazendo com personagens de todos os níveis, gente popular, cantor, artista, gente do povo, seus amigos, companheiros de trabalho, políticos, pessoas com quem você trabalhou... Também quero dar os parabéns a Edson Benigno e ao amigo Costa Júnior. Por sinal, fui eu quem coloquei o nome jornalístico dele. Costa queria assinar como Francisco Pedro da Costa Júnior. Como já existia Francisco Macedo, assinei as matérias dele no jornal Dois Pontos como Costa Júnior. Pegou. Também seria bonito Francisco Costa Júnior, mas eu preferi só Costa Júnior. Quero dar os parabéns ao Zona Sul, que, apesar das dificuldades de se fazer um jornal impresso, continua circulando na cidade. 

24 comentários:

  1. A titulo de informaçao mais concreta: Cerro Cora emancipou-se em 1953. O Botafogo havia sido tetra (32-33-34-35) e estava a "apenas" 13 anos sem vencer o campeonato carioca. Ze juliao assumiu a prefeitura em 1972, quando levou um time local, o Gremio Presidente Kennedy, o GPK, a participar do Matutao. Ele nao falou no "Correio Estudantil", do qual fez parte, em 1973, um jornalzinho mimeografado...Boa entrevista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zé Julião assimiu a prefeitura em 1971, ficou até o começo de 1972, quando chegou o interventor Capitão Virgilio Tavares, da Policia Militar do Rio Grande do Norte...

      Excluir
    2. Ele falou, sim, no Correio Estudantil. Mas, por questão de espaço, nem tudo o que foi dito entrou no texto final.
      Roberto Homem

      Excluir
  2. O entrevistador acertou em cheio no titulo da entrevista. Parabens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Julião é um craque do jornalismo potiguar. Espero que ele concretize logo o plano de publicar um livro contando histórias das redações por onde passou.
      Roberto Homem

      Excluir
  3. Conheço algumas história de Julião e agora vou aumentar meu repertório. rsrs Essa de acordar cheio de cocô de galinha foi demais! Tinha que ser com o velho Juju! Parabéns a Roberto Homem e Julião pela ótima entrevista. Bjs, Vilma Lúcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vilma, pela parte que me toca do seu elogio. Mas, logicamente, o entrevistado é quem merece mesmo os maiores méritos. Até porque foi ele quem viveu a vida contada nessa entrevista.
      Roberto Homem

      Excluir
  4. Valdir Julião é um dos grandes nomes do jornalismo potiguar. Sou admirador do seu talento e da correção profissional que marcam a sua trajetória na comunicação. Fiquei lisonjeado com as referências - muito generosas, por sinal - que ele fez ao meu respeito. Pra mim foi uma honra ter tido a oportunidade de trabalhar ao seu lado, especialmente na TRIBUNA DO NORTE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse comentário, Paulo Tarcisio consegue ser ao mesmo tempo justo (quando reconhece que Julião é um dos grandes nomes do jornalismo do RN) e modesto (ao classificar como generosas as referências que o entrevistado fez sobre ele). De minha parte, assino embaixo do que um disse a respeito do outro.
      Roberto Homem

      Excluir
  5. Gostei muito. Uma verdadeira aula. Foi bom saber também que não fui só eu que vi "A Fábrica", com Lima Duarte e Aracy Ballabanian.

    ResponderExcluir
  6. O entrevistado foi quem deu o nome "artistico" a Carlos Santos, o Carlinhos abecedista e botafoguense de A REPUBLICA e do DIARIO DE NATAL, pai do cabeçao da TRIBUNA DO NORTE...

    ResponderExcluir
  7. Meus nobres colegas, Roberto e Valdir: primeiramente, meus parabéns pela entrevista. Uma verdadeira aula de redação, sem a pretensão e esnobe acadêmicos, no velho estilo de Julião. Agora, outra coisa: a minha gratidão pela citação a mim referenciada! Aliás, gostaria de contar um flagrante que presenciei com o colega Valdir Julião. Foi na missa de sétimo dia da morte da Dra. Zilda Arns, na ocasião celebrada na Catedral de Natal. Valdir estava trabalhando, mas tiramos um segundinho para um rápido bate-papo, como sempre! Repentinamente, se aproxima uma velhinha religiosa e ao repórter ordena: “Moço, anote aí minhas intenções para a missa”. Sem entender, Valdir levanta a cabeça e, ao olhar para mim, logo percebe que fora confundido com o sacristão da igreja. Não perdi a oportunidade e enviei o fato para a Revista Seleções, coluna Flagrantes da Vida Real. “Repórter ou sacristão!?”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bosco. Não apenas pelo elogio, mas também por ter contado essa história que enriquece a entrevista de Julião.
      Roberto Homem

      Excluir
  8. Eu sabia, caro Bosco, que vc ia fazer uma sacanagem comigo, essa pode ir prum livro. Realmente, foi o que ocorreu. Mas, vc tá colaborando pro folclore jornalistístico, uma historia real, das muitas que vi e ouvi, ainda mais, indo para a Revista Seleções, que li muitas vezes na infância e adolescência... Obrigado pelo carinho... fora isso, espero que vc transforme suas historias em livros, apenas tive a satisfação de não ter sido forçado a contar a "minha primeira vez", como o Roberto Homem fez em relação a você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julião, se quiser contar como foi sua primeira vez, fique à vontade para fazê-lo aqui nos comentários. Com certeza vai aumentar a audiência dessa página.
      Roberto Homem

      Excluir
  9. Se foram contar as historias dele vai esvaziar o "livro"...

    ResponderExcluir
  10. A primeira vez é segredo, contar, perde a graça!

    ResponderExcluir
  11. Roberto, caso ainda tenha o audio gravado, se puder manda pra mim... pra arquivo...

    ResponderExcluir
  12. Valdir, tb li muitas dessas revistas através de um tio, irmão de minha mãe, e tempos depois até colecionei por meio de assinatura. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Todas as entrevistas de Roberto Homem foram importantes, mas essa, de Valdir Julião, é para ficar nos anais da história do jornalismo da "arraia miúda". Hilariante e professoral!

    ResponderExcluir
  14. Eu sou Manoel Garcia. Sou sobrinho de Antonio Garcia da ambulância-in-memorian. Sou conhecido como "Manoel Alemão" joguei no Grêmio Pte. Kennedy na época de Imagem, Luizinho, Souza(goleiro), Ivo, Corá, nem etc.Disputamos o Matutão e ficamos entre os 4 melhores do RN. quando vinhamos para Cerro Corá houve uma acidente e Zé Julião preferiu cuidar (com sabedoria)dos seus concidadãos e das suas Família do que ir disputar as finais em Natal. na época Pau-dos-Ferros que ficou em 5 foi no nosso lugar e foi campeão. Eu Considero Zé Julião um dos maiores benfeitores de Cerro-Corá. homem honrado e digno, que certamente o povo de Cerro-Corá, ao longo de sua história deverá reconhecer a virtude de um dos maiores benfeitores que cerro corá já viu não havendo assim, adjetivos para qualifica-lo. Gostaria muito de ter um contato telefônico com um dos filhos do meu amigo o inesquecível José Julião. Meu telefones: 99656466 e 99656464.

    ResponderExcluir
  15. Eu sou Manoel Garcia. Sou sobrinho de Antonio Garcia da ambulância-in-memorian. Sou conhecido como "Manoel Alemão" joguei no Grêmio Pte. Kennedy na época de Imagem, Luizinho, Souza(goleiro), Ivo, Corá, nem etc.Disputamos o Matutão e ficamos entre os 4 melhores do RN. quando vinhamos para Cerro Corá houve uma acidente e Zé Julião preferiu cuidar (com sabedoria)dos seus concidadãos e das suas Família do que ir disputar as finais em Natal. na época Pau-dos-Ferros que ficou em 5 foi no nosso lugar e foi campeão. Eu Considero Zé Julião um dos maiores benfeitores de Cerro-Corá. homem honrado e digno, que certamente o povo de Cerro-Corá, ao longo de sua história deverá reconhecer a virtude de um dos maiores benfeitores que cerro corá já viu não havendo assim, adjetivos para qualifica-lo. Gostaria muito de ter um contato telefônico com um dos filhos do meu amigo o inesquecível José Julião. Meu telefones: 99656466 e 99656464.

    ResponderExcluir
  16. Eu sou Manoel Garcia. Sou sobrinho de Antonio Garcia da ambulância-in-memorian. Sou conhecido como "Manoel Alemão" joguei no Grêmio Pte. Kennedy na época de Imagem, Luizinho, Souza(goleiro), Ivo, Corá, nem etc.Disputamos o Matutão e ficamos entre os 4 melhores do RN. quando vinhamos para Cerro Corá houve uma acidente e Zé Julião preferiu cuidar (com sabedoria)dos seus concidadãos e das suas Família do que ir disputar as finais em Natal. na época Pau-dos-Ferros que ficou em 5 foi no nosso lugar e foi campeão. Eu Considero Zé Julião um dos maiores benfeitores de Cerro-Corá. homem honrado e digno, que certamente o povo de Cerro-Corá, ao longo de sua história deverá reconhecer a virtude de um dos maiores benfeitores que cerro corá já viu não havendo assim, adjetivos para qualifica-lo. Gostaria muito de ter um contato telefônico com um dos filhos do meu amigo o inesquecível José Julião. Meu telefones: 99656466 e 99656464.

    ResponderExcluir
  17. Eu sou Manoel Garcia. Sou sobrinho de Antonio Garcia da ambulância-in-memorian. Sou conhecido como "Manoel Alemão" joguei no Grêmio Pte. Kennedy na época de Imagem, Luizinho, Souza(goleiro), Ivo, Corá, nem etc.Disputamos o Matutão e ficamos entre os 4 melhores do RN. quando vinhamos para Cerro Corá houve uma acidente e Zé Julião preferiu cuidar (com sabedoria)dos seus concidadãos e das suas Família do que ir disputar as finais em Natal. na época Pau-dos-Ferros que ficou em 5 foi no nosso lugar e foi campeão. Eu Considero Zé Julião um dos maiores benfeitores de Cerro-Corá. homem honrado e digno, que certamente o povo de Cerro-Corá, ao longo de sua história deverá reconhecer a virtude de um dos maiores benfeitores que cerro corá já viu não havendo assim, adjetivos para qualifica-lo. Gostaria muito de ter um contato telefônico com um dos filhos do meu amigo o inesquecível José Julião. Meu telefones: 99656466 e 99656464.

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar a página do Zona Sul. Seu comentário, crítica ou sugestão será muito bem vindo.